sábado, 6 de junho de 2015

E quem nunca rasgou o peito dizendo-se tremendamente infeliz e sem chão?
Quem nunca passou pelo deserto, sem flores, sem esperança, sem nascentes?
Quem nunca se jogou numa cama e chorou feito criança segurando os próprios joelhos ralados, alentando as próprias dores, agudas, intensas?
Quem nunca perdeu tanto ao ponto de desistir das tentativas?
Quem nunca perdeu alguém que se foi sem dizer adeus?
Quem nunca se automutilou em pensamento rasgando as cordas vocais num grito estrondoso?
Quem nunca esquartejou os próprios pensamentos pra deixar-se oco e sentir menos e permitir esvair o temporal dos olhos?
Eu sei que a vida é dura, bate na cara, cospe, sapateia, humilha, mas pra quem não tem fé, não a coloca no centro.
E enfim, já sem muros e esquinas, dobra a rua dos medos, das dores, dos arrependimentos, remorsos e assombros e deixa-se atropelar por um céu de esperanças, uma chuva de crenças.
Deus está na direção junto com você, mas Ele permite que você se perca para que o caminho seja uma reta definitiva, àquela em que leva somente para a única solução de toda a criação, a nossa salvação por uma eternidade sem tanto pesadelo de olhos abertos.
Acredite, Jesus passa pelo deserto junto com você e mesmo em chamas, faz do sol o seu alimento, ainda que no desleixo do desespero não percebas. E Ele te ama como se nada estivesse acontecendo porque da seca Ele germina água quando menos esperar. Ele conhece o futuro e sabe que o hoje é necessário para que o seu amanhã faça valer cada lágrima; são delas o seu crescimento nEle e aprende ser forte a cada passo torto (porque eles são necessários).

Simone Resende________




Um comentário: