sexta-feira, 13 de dezembro de 2013


Foto: Acordei e saltei os olhos pela janela, desejando bom dia a mim mesma.
Nos inauguramos a cada dia que nasce, como se tivéssemos à oportunidade também, de nascermos todos os dias e fazermos coisas diferentes, corrigirmos os erros e engrenarmos no que precisa tomar novos rumos.
O barulho da cidade começa a todo vapor, às pessoas se equilibram em suas pendências, suas rotinas e a vida sorri simplesmente com aquele sorriso caloroso de quem convida para se lançar a um voo sem medos, sem restrições...
À vida, é a maior oportunidade de destino, um embalo que devemos embarcar e nos atirarmos sem força negativa, sem receios...
O dia que começa, é a oportunidade que faltava para o calendário, às horas que faltaram no ontem e sobraram no barulho do silêncio de anteontem...
O dia raia para cada um de nós, que temos essa sede de vida, essa luz que se emaranha com o sol, e então, um novo capítulo começará a ser escrito em linhas retas, em curvas, em balanço... À maravilha está, em se ajustar ao compasso, apertar os cintos nas turbulências e jamais esquecer de tirá-lo na hora da brisa, da calmaria que ela traz e invade!
Deixar ventar do lado de dentro e permitir-se brisa do lado de fora!
Simone Resende 
Acordei e saltei os olhos pela janela, desejando bom dia a mim mesma.
Nos inauguramos a cada dia que nasce, como se tivéssemos à oportunidade também, de nascermos todos os dias e fazermos coisas diferentes, corrigirmos os erros e engrenarmos no que precisa tomar novos rumos.
O barulho da cidade começa a todo vapor, às pessoas se equilibram em suas pendências, suas rotinas e a vida sorri simplesmente com aquele sorriso caloroso de quem convida para se lançar a um voo sem medos, sem restrições...
À vida, é a maior oportunidade de destino, um embalo que devemos embarcar e nos atirarmos sem força negativa, sem receios...
O dia que começa, é a oportunidade que faltava para o calendário, às horas que faltaram no ontem e sobraram no barulho do silêncio de anteontem...
O dia raia para cada um de nós, que temos essa sede de vida, essa luz que se emaranha com o sol, e então, um novo capítulo começará a ser escrito em linhas retas, em curvas, em balanço... À maravilha está, em se ajustar ao compasso, apertar os cintos nas turbulências e jamais esquecer de tirá-lo na hora da brisa, da calmaria que ela traz e invade!
Deixar ventar do lado de dentro e permitir-se brisa do lado de fora!
Simone Resende

Nenhum comentário: